quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Um cão latindo na rua

Incomparável a vã preponderância,
das forças egoístas do apego-irmão,
em vagas promíscuas do alheamento,
está a lógica implícita da indiferença.

Independente da incerteza crença,
das psiques das neutras incógnitas,
vem à tona o desafio da desconstrução,
no imaginário lúcido, assim percebo.

A singularidade dos frágeis homens,
no processo social do inútil triunfo,
dos cenários de vacuidades incapazes,
Que se expandem qual o macro universo.

E paralelo ao eu-lírico, observo,
as irregularidades da cega percepção.
Se o mundo é mesmo um implacável moinho
Porque não trituraram a nossa razão?

André Bianc

Nenhum comentário:

Postar um comentário